As avarias comuns das TCUs em transmissões continuamente variáveis (CVT)

Transmissão Continuamente Variável (CVT): Quem não sabe? A base da tecnologia para este tipo de caixa de velocidades automática foi estabelecida na década de 1950. Hoje, ainda é usado o sistema em uma versão moderna. No entanto, vemos que frequentemente surgem problemas com a Unidade de Controle de Transmissão (TCU) das CVTs modernas. Então é hora de olhar-mos mais de perto esta técnica e ver quais são as avarias comuns das TCUs.

Os princípios básicos da transmissão de CVT

722.8-cvt-tcu

Como mencionado, a transmissão CVT tem sido usada na indústria automóvel desde a década de 1950. Foi a empresa Limburg Van Doorne que em 1958 projetou o sistema de transmissão Variomatic para seus veículos de passageiros DAF pela primeira vez. Este sistema de transmissão também é conhecido como "alavanca inteligente". A caixa de velocidades Variomatic usa duas polias ajustáveis em V com uma correia de borracha reforçada com fibra para transmissão. O motor está conetado a uma polia enquanto o outro está conetado através do resto da transmissão às rodas.

A característica especial da caixa de câmbio é o fato de que as polias podem mudar de tamanho. Quando o veículo arranca, uma polia é pequena e a outra é grande. Se o veículo aumenta a velocidade, a polia grande fica menor e a polia menor fica maior, por isso muda continuamente de marcha. Isso significa que o motor tem imediatamente a velocidade ideal para uma situação específica. O resultado é uma maneira mais gradual e eficiente de dirigir do que em outra viatura. Isso geralmente resulta em menor consumo de combustível.

Faixa de impulso CVT

O sistema Variomatic original foi utilizado em veículos de passageiros da DAF por vários anos após a sua introdução. Mesmo após a aquisição da DAF pela Volvo em 1975, o sistema Variomatic foi usado, por exemplo, nos modelos 66, 343, 345 e posterior na 340, todos com motores relativamente pequenos (até 1400 cc). O Variomatic não era adequado para transmitir um torque maior. É por isso que a Van Doorne Transmissie (adquirida pela Bosch em 1995) desenvolveu o Push-band CVT como um sucessor do sistema Variomatic, que usa uma correia de aço com numerosos elos de aço que são conetados a dois feixes de cabos de aço. Esta construção é realizada entre os discos para transmitir este torque. A força é transferida para os elos de aço, de modo que eles são "empurrados". Isso contrasta com o sistema Variomatic, que usava uma correia de tração.

Como se sente o motorista com uma transmissão CVT?

Tem a transmissão automática diferenças significativas para o motorista? Com certeza! As diferenças serão especialmente perceptíveis para pessoas que já conduziram viaturas com um tipo de caixa de velocidades automática diferente no passado. Abaixo dois pontos de destaque:

  • Primeiro, há aceleração. Onde uma "onda de força" real é freqüentemente observada em outras caixas de velocidade automáticas, é diferente com uma caixa de velocidades CVT. Quando o pedal do acelerador está totalmente pressionado, como já afirmamos, a viatura vai gradualmente mais e mais rápida.
  • Outra diferença notável é o ruído produzido pelo CVT e o motor durante a aceleração. Quando aceleras, o motor salta imediatamente a uma velocidade na qual ele permanece durante a aceleração. Este som é bastante semelhante ao som produzido por uma embreagem deslizante, o que pode fazer o som parecer pouco natural.
722.8-cvt-tcu

A TCU em caixas de velocidade CVT

Os princípios básicos da caixa de velocidades CVT foram realmente mantidos ao longo dos anos. Portanto, houve evoluções (como a banda de empuxo CVT) e, por exemplo, as TCUs (unidades de controle de transmissão) apareceram na transmissão automática. Essas TCUs são, na verdade, o cérebro da caixa de velocidade que mede coisas como a velocidade de entrada, a velocidade de saída, a pressão da embreagem e a temperatura do fluido, e então age de acordo com os dados. Por exemplo, determinar a quantidade de óleo que vai para as polias através das válvulas para ajustar a relação de transmissão é uma tarefa que uma TCU pode executar. Como pode imaginar defeitos na eletrónica podem causar problemas. Aqui vemos que nas caixas de velocidade dos Lagunas, a TCU causa frequentemente problemas.

Mercedes 722.8 CVT com embreagem hidráulica.

A Mercedes desenvolveu uma transmissão CVT para sua Classe A (W169) e Classe B (W245). A Mercedes CVT usa um conversor de torque e também é conhecido como a caixa de velocidades 722.8. Apesar do fato de que a tecnologia CVT tem sido usada fielmente a anos, vemos que ao longo do tempo surgem problemas com esta caixa de velocidades da Mercedes. Por exemplo, má manutenção devido a não mudança de óleo periódicas, Influências de temperatura e vibrações são as causas de um mau funcionamento. É por isso que temos uma solução de reparação/ remanufaturação específica para a TCU do 722.8 Mercedes CVT que pode, por exemplo, corrigir defeitos no sensor de posição do interruptor, no sensor de velocidade e vários códigos de erro.

multitronic_tcu

Audi Multitronic com corrente em polias de deslizamento cônicas.

Outra variação notável na transmissão CVT automática é a da Audi: A Multitronic. A Audi usou esta transmissão continuamente de forma variável entre 1999 e 2014 nas versões de tração dianteira de por exemplo, no A4, A6 e A8. Ao contrário das caixas de velocidades modernas e convencionais que utilizam uma correia de transmissão de metal, a Multitronic utiliza uma corrente. No entanto, a variante da Audi CVT funciona de forma estranha durante a condução. Por exemplo, a marcha a ré funciona mal quando a temperatura externa está baixa. Somente depois de pressionar o pedal do acelerador várias vezes em sua posição livre, a "R" faz o seu trabalho.

Além do desconforto do usuário, o sistema também parece exigir muita manutenção. É por isso que desenvolvemos uma solução de remanufaturação especial para a TCU Multitronic, assim como para a 722.8. Os problemas que podem estar relacionados à TCU são: automático não liga 'R', automático não inicia, a transmissão automática muda muito e aparece constantemente 'F' no display. Alguns códigos de erro, como P0722 e P0730, também podem estar relacionados a este sistema.

Pode concluir-se que a transmissão automática da CVT demonstrou o seu serviço durante muitos anos e continuará a fazê-lo por enquanto. Esta tecnologia economiza combustível devido à ótima relação de transmissão e, além disso, esta tecnologia (em princípio) também é confiável. Portanto, não é de surpreender que o CVT já esteja a ser utilizada em diversos veículos híbridos e elétricos. O ECVT, como também é chamado, é usado, por exemplo, no Lexus CT200h e no Toyota Prius. A Bosch também não parou e está a desenvolver uma nova versão do cinturão de pressão CVT.